02 outubro 2011

Violada

Antes de tudo sentia percorrer-lhe um tremor. Um tremor que saía do peito e cavalgava pelos órgãos fora.
Batia o pé com toda a força que lhe restava e mordia os lábios, queria expulsar aquela onda e ela parava.
Sentia-a outra vez, mais perto, mais forte. Mudava de pé, prendia o olhar no horizonte e reprimia a raiva. Engolia-a. Comia-a. Devorava-a.
O coração esmurrava-lhe o peito, espancava-lhe a existencia. E ela sempre sem desistir, a bater ainda com mais força com os pés no chão. Juntou-lhes as mãos na demanda, entrelaçou-as uma na outra e cravou-lhes as unhas com furia.
O tremor quase a chegar-lhe aos lábios, sentia-o passar lentamente no pescoço e quase a segredar-lhe aos ouvidos. Sacudiu-os e sentiu-os humidos. não compreendia porquê até sentir uma gota escarlate respingar-lhe nas pernas despidas. Eram as mãos, sangrava.
Rasgou um bocado da saia, ou o que tinha restado dela, e embrulhou os dedos. Deixou-se ficar um bom bocado a observar o tecido claro tomar o tom avermelhado do sangue, julgou por instantes gostar daquilo que via. Sabia-o dela o sangue, ainda dela aquele sangue.
Sossegou os pés e a cabeça descaiu mais um pouco, as forças esvaiam-se como que sugadas demoradamente.
Os olhos pousaram no que horas antes tinha sido a sua roupa interior e dentro da cabeça um grito. Um grito ensurdecedor, suplicante, dorido, amordaçado.
Sentia na boca alguns dos seus cabelos arrancados. Na barriga marcas de mãos. Não as dela.
O tremor a voltar e ela quase a desistir. Quase a querer que chegue rápido aos olhos, mas no ultimo instante a recuar e a deixar-se ficar no pescoço onde ainda tinha as alças do soutien amarradas.
Largou o tecido que lhe envolvia os dedos e quis percorrer o corpo semi-nu, saber o que restava dele, quem sabe reconhecer-lhe a anca, a cintura, as costas, o sexo.
Só ardor. Ardor e pisaduras. Pisaduras e feridas. Feridas e mais sangue.
Percorreu o peito ao de leve e sentiu fogo a queimar-lhe a pele. Fogo e medo. Medo e vergonha.
O tremor chegou por fim aos lábios e com ele sussuros que não controlava, soluços, pequenos apelos, suplicas quase silenciosas.
Deixou que lhe chegasse às palpebras e quando por fim chegou, sentiu uma nova gota restolhar-lhe na palma da mão ensanguentada.
Uma gota límpida, translucida, fresca, quase cheia de ternura. Quis certificar-se e levou-a à boca, salgada. Uma lágrima, a primeira lágrima. A unica coisa que não lhe roubaram, que era tão somente sua e que tinha conseguido reprimir dentro até agora. Uma lágrima.
Sorriu.
Depois fechou os olhos, deixou-se cair pesadamente sobre o lajedo e não gritou quando a cabeça embateu violentamente no chão.
Deixou que as lágrimas se misturassem com o sangue e morreu com a secreta esperança de que algures, houvesse alguém à sua espera num sitio qualquer, que lhe devolvesse a identidade, a alma, a dignidade e

a existencia.

Sem comentários:

Publicar um comentário